Iniciativas

Postado em Qualidade

 Ações educativas Programa Qualidade Mais

Com o intuito de promover o desenvolvimento de competência dos profissionais da Feaes com foco na implantação das Metas de Segurança do Paciente, a Gestão da Qualidade realizou Oficinas, baseadas em Metodologias Ativas, com o objetivo de problematizar o cuidado ao paciente assistido em uma das Unidades administradas pela Fundação e propiciar reflexão acerca dos processos que impactam na Qualidade e Segurança do Paciente.

Hospital do Idoso Zilda Arns

Ações de incentivo à Meta 6 – Prevenção de Quedas

Com o processo de envelhecimento e a fragilidade da saúde pelo avanço da idade, os idosos têm grande probabilidade de ficarem hospitalizados após uma lesão provocada por queda. Para conscientizar pacientes e profissionais de saúde sobre os riscos de quedas em idosos e debater formas de evitá-las, nos dias 24 e 25 de junho de 2014, o Serviço da Qualidade realizou uma programação especial como estratégia para marcar o Dia Mundial de Prevenção de Quedas em Idosos, 24 de junho.Tal evento, contou com a participação de 201 pessoas, promovendo a sensibilização e a conscientização dos pacientes, acompanhantes, profissionais de saúde e comunidade.
 foto1 meta6 foto2 meta6 
 A programação contemplou dois dias de palestras sobre a temática e o convite se estendeu aos profissionais da área da saúde e a comunidade com interesse no tema.  “Blitz” educativa,  onde uma das participantes, caracterizada de idosa, percorreu o hospital abordando os profissionais da equipe multidisciplinar, acompanhantes e pacientes realizando ações educativas sobre os cuidados básicos para prevenir a queda.
 foto3 meta6  classificacao risco bn
 No dia 25 de junho, após a palestra, os participantes vivenciaram situações físicas limitantes no dia a dia de pessoas idosas. Ao aceitar o desafio, eles usaram óculos que simularam a visão embaçada, pesos que dão a noção das dificuldades de caminhar e fones de ouvido para limitar a audição e outras condições que aumentam o risco de queda.     Imagem do banner exposto durante os dias de realização do evento

 

Evidenciou-se que após a realização do evento houve considerável melhora na adesão das medidas que previnem a ocorrência de quedas em pacientes internados. Por meio da realização de auditorias mensais em todas as unidades de internação, foi observada a evolução nos registros em prontuário e nas notificações de ocorrência de quedas, corroborando com a orientação do Ministério da Saúde de utilizar estratégias para educação sobre o risco de queda.

Atividades desenvolvidas para implantação da meta 6 no Hospital do Idoso.

1)    Capacitação da Meta 6 para os colaboradores;
2)    Elaboração de instrumento (check list) para auditoria da Meta 6;
3)    Adequação de escala para avaliação do risco (Escala de Morse);
4)    Auditoria da Meta 6 nas Unidades de Internação;
5)    Apresentação de relatório de auditoria para as Unidades;
6)    Disponibilização de Termo de Responsabilidade Compartilhada para paciente/acompanhante;
7)    Elaboração do “Relato de Experiência - Sensibilização para Implantar a Meta Internacional de Prevenção de Quedas” apresentado no III Seminário da Qualidade em Hospitais Públicos, no mês de dezembro de 2014.

 

 

Atividades desenvolvidas para a implantação da meta 6 no Hospital do Idoso

1) Capacitação da Meta 6 para os colaboradores;
2) Elaboração de instrumento (check list) para auditoria da Meta 6;
3) Adequação de escala para avaliação do risco (Escala de Morse);
4) Auditoria da Meta 6 nas Unidades de Internação;
5) Apresentação de relatório de auditoria para as Unidades;
6) Disponibilização de Termo de Responsabilidade Compartilhada para paciente/acompanhante;
7) Elaboração do “Relato de Experiência - Sensibilização para Implantar a Meta Internacional de Prevenção de Quedas” apresentado no III Seminário da Qualidade em Hospitais Públicos, no mês de dezembro de 2014.

 

Ações de incentivo à Meta 3 – Prescrição, preparo e administração segura de medicamentos.

No período de junho a setembro/2015 foi realizada uma Oficina para técnicos e enfermeiros e contemplou a equipe de enfermagem dos três turnos. O objetivo da Oficina foi sensibilizar os profissionais em questões que impactam diretamente na segurança do paciente:
- Refletir sobre os incidentes relacionados a medicação e suas consequências para o cuidado ao paciente;
- Identificar as estratégias para a prevenção de incidentes de medicação mais utilizados na prática assistencial, pelos enfermeiros, no HIZA;
- Identificar os problemas que influenciam para a ocorrência de incidentes associados às medicações;
- Propor estratégias para a redução de incidentes associados às medicações no HIZA.


Ações de incentivo à meta 6 – Prevenção de úlceras por pressão (I Simpósio da Feaes).

 quadro3 foto1 quadro3 foto4 

 

Ações Maternidade Bairro Novo

Em 2013, a Feaes, ao assumir o gerenciamento da maternidade, preconizou as diretrizes do Ministério da Saúde aderindo ao Programa da Rede Cegonha, estratégia esta criada pelo ministério da saúde através da Portaria  nº 1.459, de 24 de junho de 2011, com o objetivo de   implementar uma rede de cuidados para atenção à saúde da  mulher e crianças até 2 anos, estimulando a atenção obstétrica baseada em evidências científicas, com  princípios da humanização e trabalho multidisciplinar, garantia de acesso, acolhimento e resolutividade, contribuindo com a redução da  mortalidade materna e infantil.Neste contexto, foram realizadas as seguintes ações de incentivo para a adesão às diretrizes:•    Sensibilização das equipes sobre a humanização;
•    Definição da visão e  valores  da instituição com foco na humanização;
•    Instituição do colegiado gestor;
•    Criação, implementação e capacitação de protocolos assistenciais;
•    Implantação do protocolo de atendimento ao parto e nascimento conforme recomendações da OMS/ evidências científicas, com o objetivo de normatizar a assistência obstétrica na instituição, orientar os profissionais de saúde para o cumprimento das boas práticas de assistência ao parto (como liberdade de posição materna no parto, presença do acompanhante);
•     Inserção do médico horizontal;
•     Inserção de enfermeiras obstétricas na assistência à mulher;
•    Implantação do Protocolo de Acolhimento e Classificação de Risco Obstétrico.

•    Monitoramento e avaliação constantes dos indicadores da assistência obstétrica;
•     Ações de educação em saúde;
•     Implantação do Núcleo de Qualidade, Educação e Segurança do Paciente;
•    Inserção de doulas comunitárias;
•    Disponibilização dos métodos não farmacológicos para alivio da dor (massagens, exercícios na bola suíça, música, penumbra);
•    Consulta de 37 semanas com a enfermeira da Maternidade;
•    Readequação da visita das gestantes à maternidade;
•    Sala de práticas integrativas;
•    Construção do Plano de Parto com a gestante;
•    Deambulação das parturientes em um espaço ampliado para jardim externo;
•    Cuidados Humanizados ao recém-nascido (Banho Ofurô) e cuidados imediatos postergados ao nascer;
 
Diante dessas ações implementadas  pela gestão, percebeu-se que a equipe gestora da Maternidade utilizou-se de uma diversidade de ferramentas importantes para a proposta de mudança do modelo assistencial, sempre voltados na humanização, qualidade no atendimento e segurança do paciente.

Ações Unidade de Pronto Atendimento Matriz

A Secretaria Municipal da Saúde, em parceria com a Fundação Estatal de Atenção Especializada em Saúde de Curitiba implantou em todas as Unidades de Pronto Atendimento do Município o Protocolo de sepse. No momento em que o paciente passa pela triagem nas UPAs, uma série de medidas específicas são adotadas para diagnosticar a sepse. Se os sintomas apontarem para um caso suspeito, é realizado eletrocardiograma e o paciente é encaminhado para o médico que fará a comprovação do diagnóstico. Além de um roteiro específico para a triagem realizada pelo enfermeiro e para a consulta médica de como proceder nos casos suspeitos de sepse, o protocolo também prevê a lista de antibióticos necessários para o internamento.  protocolo sepse